O que é o Índice Glicémico?
Nutrição

O que é o Índice Glicémico?

O Índice Glicémico (IG) consiste num fator que indica a velocidade à qual os hidratos de carbono ingeridos irão produzir um aumento dos níveis de açúcar no sangue - designado por glicemia. Este índice indica a qualidade, e não a quantidade, de hidratos de carbono presentes nos alimentos.

Os Hidratos de Carbono e o índice Glicémico

Os hidratos de carbono são um macronutriente essencial ao funcionamento do organismo. São uma fonte de energia necessária ao desenvolvimento e crescimento celular e ao funcionamento dos músculos e cérebro. Constituem também uma reserva no fígado e músculos. Proporcionam energia durante períodos de jejum, em momentos de stress agudo ou longos períodos de atividade física, sendo assim usados como mecanismo de sobrevivência.

É importante ingerir hidratos de carbono ao longo do dia, em quantidades adequadas.
Estes são essenciais para evitar a fadiga e contribuem para melhorar a capacidade de aprendizagem e performance física.

Índice Glicémico: Alto, Médio e Baixo

É possível determinar o IG de um alimento! Para isso é necessário comparar uma determinada quantidade desse alimento com outro alimento de referência, que normalmente é a glicose pura ou o pão branco, cujo IG é igual a 100.

Os hidratos de carbono, de acordo com a sua composição-digestão-absorção, podem ter IG baixo, médio ou alto.

Índice Glicémico Alto

Os alimentos com IG alto, ou seja, com um IG igual ou superior a 70, são considerados alimentos com elevada capacidade para aumentar os níveis de glicose no sangue (glicemia) após a ingestão, devido à sua rápida digestão e absorção. Alimentos com IG alto podem ser adequados em algumas situações. Por exemplo, são ideais para repor as reservas musculares e hepáticas, necessárias, por exemplo, após grandes esforços físicos, ou antes de atividades de curta duração que exijam rapidez e intensidade.

No caso de indivíduos que necessitam de perder peso, ou indivíduos diabéticos, os alimentos com IG alto não devem ser consumidos em grande quantidade. Para além disso, é aconselhado que o consumo de alimentos com IG elevado seja acompanhado de alimentos fontes de gordura, proteínas e/ou fibras, a fim diminuir a glicémia.

A ter em atenção nos alimentos com IG alto:
Alimentos com IG alto, consumidos de forma isolada, produzem uma libertação superior de glicose num menor período de tempo, exigindo maior libertação de insulina pelo pâncreas.

A insulina é uma hormona considerada anabólica, isto é, em níveis altos contribui para a formação de gordura nos músculos. Por este motivo, o consumo destes alimentos pode ser integrado em situações especiais, como por exemplo, após um exercício intenso.

Caso sejam consumidos, em grande quantidade e frequentemente, por indivíduos com elevado nível de gordura corporal e abdominal e/ou por diabéticos, podem contribuir para o aumento da resistência à ação da insulina originando maior acumulação de gordura, dificultando a estabilidade da glicemia em valores mais saudáveis.

São exemplos de alimentos com IG alto os seguintes: arroz branco cozido, pão branco, melancia, batata cozida e bebida de arroz.

    Índice Glicémico Médio

Os valores com IG médio, ou seja com IG entre 56-69, são alimentos de digestão e absorção de média duração.

Alguns exemplos de alimentos com estes valores são: couscous, muesli , ananás e papaia.

    Índice Glicémico Baixo

Os alimentos com IG baixo – igual ou inferior a 55 – são de lenta digestão e absorção, sendo a libertação de açúcar no sangue feita de forma mais lenta, não aumentando tanto os níveis de insulina. Estes alimentos têm algumas vantagens:

# 1. Aumentam a saciedade e reduzem o apetite;

# 2. Aumentam o metabolismo;

# 3. Melhoram o trânsito intestinal;

# 4. Melhoram o HDL (Lipoproteína de alta densidade, designado por “colesterol bom”);

# 5. Diminuem os triglicerídeos e a resistência à insulina, prevenindo o desenvolvimento de doenças como a diabetes.

São também adequados em refeições que antecedam o exercício físico aeróbico e podem estar associados a todas refeições ao longo do dia.

São exemplos destes alimentos, os seguintes: leite, iogurtes, queijos, grão-de-bico, lentilhas, pão de centeio, morango, maçã e manga.

IG Alto e peso

O facto de um alimento possuir hidratos de carbono de índice glicémico alto não significa que produza alterações no peso.

Há alimentos com IG alto, como o caso da melancia, cuja quantidade de hidratos de carbono por 100g é muito baixa. Por sua vez, alimentos com IG baixo, dependendo da quantidade ingerida, poderão contribuir para o aumento de peso, uma vez que alguns são ricos em gordura e calorias.

Na escolha dos alimentos é importante ter em conta o conteúdo nutricional, para além do IG.

Quais os Fatores que influenciam o IG de um alimento?

O método de confeção (cozido ou assado, por exemplo), o grau de maturação das frutas, o tipo de amido e a presença de compostos bioativos específicos, podem também influenciar o IG de um alimento.

A junção de vários alimentos numa refeição, em que estejam presentes fibras, gorduras e proteínas, influencia o IG do próprio alimento e, consequentemente, da refeição, retardando a velocidade a que os hidratos de carbono dos alimentos terão impacto na elevação da glicemia. Estes fatores devem ser tidos em conta em especial pelos diabéticos.

O que é a carga glicémica?

O IG, por si só, não dá informação de como os alimentos consumidos vão influenciar a glicemia, pois o seu valor isolado não considera as porções habitualmente consumidas, nem as junções possíveis e habituais com outros alimentos.

Estudos mostram que o efeito total dos hidratos de carbono na glicemia é determinado não só pela qualidade dos hidratos de carbono, mas também pela quantidade ingerida. Um parâmetro que pode ser mais relevante para avaliar o impacto dos alimentos na alteração da glicose sanguínea, é a Carga Glicémica (CG). Esta é obtida através do produto entre o IG e a quantidade de hidratos de carbono consumidos por porção/100.

Na prática, ao consumir dois alimentos com o mesmo IG, mas com diferentes quantidades de hidratos de carbono ingeridas, o impacto na glicemia vai ser diferente. Um bom exemplo do facto de este parâmetro poder ser mais relevante que o IG é a melancia. A melancia tem um IG alto (80), mas, no entanto, tem uma baixa CG (5,3). Isto é explicado pela pequena quantidade de hidratos de carbono presente por porção, apenas 6,6g de hidratos de carbono por cada 120g de melancia.

Na prática: CG melancia = 80*6.6/100=5.3

Índice Glicémico do alimento:



Carga Glicémica do alimento:

 
 

também

Nutrição

A dieta cetogénica tem sido cada vez mais procurada, especialmente por quem procura perder pesoo,…

Nutrição

Já alguma vez, em convívio com os teus pais ou avós presenciaste um momento em que alguém se…

Nutrição

O crudivorismo é um padrão alimentar que consiste em consumir apenas alimentos crus, daí também ser…