Saboreia a Vida | Nestlé
Saboreia a Vida | Nestlé

SOCIAL

AS 10 PERGUNTAS MAIS COMUNS ACERCA DE ALIMENTAÇÃO

Atualmente, a preocupação com a alimentação ganhou um novo lugar nas nossas vidas. Já não é só o que comemos, mas também como e quando comemos.

No Dia Mundial da Alimentação, a Nestlé e a sua nutricionista, Ana Leonor Perdigão, resolveram responder às 10 questões mais comuns acerca de alimentação. Será que alguma das suas dúvidas também foi respondida?

1 – O que é ou como se designa alimentação saudável?

Por definição, alimentação saudável é aquele padrão alimentar ou conjunto de práticas alimentares que têm impacto positivo na nossa saúde. Acima de tudo, este conjunto de hábitos promovem o melhor estado de saúde que a nossa genética nos permite ter.

Se quisermos definir alimentação saudável, a definição mais correta seria um conjunto de comportamentos alimentares que proporciona melhor qualidade de vida. No entanto, todos os ambientes que experienciámos ao longo da vida, interferem neste conjunto de práticas. Uma mãe que está a amamentar tem necessidades diferentes de um adolescente em período de exames ou um sénior.

Estes aspetos acabam por interferir e é sempre necessário fazer o ajuste à alimentação. Por isso, uma alimentação saudável é, genericamente, o conjunto de práticas alimentares que promove uma melhor saúde.

2- Que regras podemos aplicar no nosso dia a dia para termos uma alimentação saudável?

As regras também têm algum ajuste consoante cada pessoa.

Uma das primeiras regras tem a ver com o número de refeições a fazer durante o dia. O correto é distribuir as necessidades alimentares por várias refeições. E o ideal é começar o dia com o pequeno almoço, pois interrompe o longo período que o corpo esteve em jejum. Seguidamente, as refeições intercalares, a que chamamos meio da manhã e meio da tarde e que muitas vezes são esquecidas.

Estas refeições entre as refeições chamadas principais, têm a sua devida importância pois vão ajudar equilibrar o dia alimentar.

Não esquecer o almoço e o jantar, que devem ser feitas sem correrias. Fazer as refeições, sem ter fome é a melhor forma de garantir ao organismo que ele nunca está em défice.

Outra das regras tem a ver com a composição das refeições que fazemos ao longo do dia. E aqui o ponto principal é olhar para a nova Roda dos Alimentos e consumir em maior quantidade hortícolas e frutas. Evitar alimentos fritos e demasiado gordurosos.

3- Que cuidados se deve ter nas escolhas alimentares?

Prende-se com a primeira e segunda perguntas, e não deixa de ser mais uma regra.

Os cuidados alimentares têm que ver com alguns fatores, como é o caso do momento ou fase da vida em que se está e se é preciso algum reforço especial. Depois também é importante saber quão ativo é o nosso dia, se temos uma vida mais sedentária ou mais ativa e também a profissão. A alimentação saudável e as escolhas alimentares têm que ser sempre adaptadas às nossas necessidades.

4- Existem diferenças de necessidades entre crianças e adultos?

Sim, as crianças têm necessidades diferentes dos adultos.

Muitas vezes pensamos que as crianças são adultos em ponto pequeno e que têm que ingerir quantidades semelhantes, por estarem em fase de crescimento. Errado.

Os diferentes períodos de crescimento também requerem necessidades e quantidades diferentes. Há que ajustar e garantir às crianças um conjunto de nutrientes que são proporcionais ao seu peso e à sua fase de desenvolvimento.

5 – Que cuidados devemos ter com a alimentação quando iniciamos a prática desportiva?

Esta é uma questão que ganha maior relevância de dia para dia. E aqui também está presente os objetivos de cada um. Uma pessoa que pratique atividade física tem necessidades diferentes de uma pessoa sedentária.

E este ponto também depende dos objetivos do inicio da prática desportiva.

Se for perder peso, é importante que o balanço do total do dia seja negativo, entre o que se ingere e o que se gasta. Assim, o corpo utilizará as reservas de forma a proporcionar a perda de peso. Também é preciso ter especial atenção às possíveis lesões.

Por exemplo, durante a prática de exercício, os músculos estão sujeitos a mais pressão do que o normal. E há que prevenir o possível desgaste dos mesmos. Deste modo, é muito importante a ingestão de proteína.

Também há que ter em atenção que após a prática de exercício, a perda de peso que ocorre também tem que ver com a perda de água. E aqui é muito importante fazer essa reposição uma vez que somos maioritariamente constituídos por água.

6- Que cuidados se deve ter com os açúcares?

É preciso perceber a definição de açucares. Açúcar e açucares são coisas diferentes. Açúcar é o que normalmente adicionamos aos alimentos para os adoçar, por exemplo, o açúcar que se coloca no café, ou com o qual preparamos as sobremesas. Já os açucares, são nutrientes que pertencem ao grupo dos hidratos de carbono como é o caso da frutose, presente na fruta ou da lactose, que vem do leite. Por isso, ao ler os rótulos dos alimentos, é importante termos presente esta diferença. O ieal será reduzir os açúcares adicionados de forma a que não representem mais de 10% do total calórico (num adulto de atividade média serão cerca de 50g por dia).

7- Que cuidados se deve ter com as gorduras que se inclui na alimentação?

É também um ponto importante, uma vez que é um assunto que tem um grande impacto na saúde pública.

Há três grandes grupos de gorduras. As saturadas, que são normalmente de origem animal, sólidas que devem ser mantidas à temperatura ambiente, como é o caso da manteiga. Depois temos as gorduras monoinsaturadas que têm como bastião o azeite, e por fim as gorduras polinsaturadas que estão presentes no peixe, sementes e nos frutos gordos. São óleos de origem vegetal.

Assim, o ideal é repartir o consumo destas gorduras, evitando ou consumindo em menor quantidade, as saturadas, dando preferência às mono e polinsaturadas.

São estas gorduras que melhor promovem a saúde cardiovascular e os níveis normais adequados ao colesterol.

É preciso também ter em atenção que as gorduras não devem representar mais que 25 a 30% da alimentação.

8- O horário das refeições é importante ou devemos comer quanto tenho fome?

O ideal é criar uma rotina, e ter as refeições com horas o mais certas quanto possível. O ideal é que as refeições feitas ao longo do dia, não distem entre si mais de 3 horas, 3 horas e meia.

9 – Que cuidados se deve ter quando se adota uma dieta vegetariana ou vegan?

Sejam quais forem as razões, as dietas vegans e vegetarianas estão a ter cada vez mais adeptos. No entanto, há que ter atenção as lacunas que podem existir de nutrientes e vitaminas de origem animal, como é o caso da vitamina B12.

Outras possíveis carências que os vegetarianos e/ou vegan podem ter são os consumos inferiores de vitamina D, iodo e ferro. A OMS (Organização Mundial de Saúde), lançou um guia para ajudar a quem opta por este tipo de dieta.

10 – Como é que se deve cortar calorias nas refeições?

Aqui tem que se ter atenção ao balanço energético. Ou seja, quando se consome mais energia do que a que se gasta. E a forma habitual para o fazer é mesmo usando a balança. A forma mais tradicional de calcular o IMC (índice de massa corporal), através da fórmula Peso (Kg)/Altura (m) x Altura (m). Se esta equação der um valor até 24,9 significa que a relação peso/altura está bem. Esta é a forma mais simples, sendo que existem outras que têm em conta outros fatores como a idade, por exemplo.

Estes é o top 10 das perguntas respondidas no Dia Mundial da Alimentação pela nutricionista Ana Leonor Perdigão. Se tem duvidas reveja o nosso Webinar ou exponha-nos diretamente a sua dúvida.
PARTILHAR 5 LIKES

Glossário

Sugestões